Atendimento e acolhimento no Hospital Auxiliadora faz a diferença

Paciente fica mais de 2 meses internado e conta com carinho o atendimento e acolhimento que teve no Hospital Auxiliadora

Texto por: Assessoria de Comunicação do Hospital Auxiliadora

Uma história de superação e muita emoção, seu Jair Rodrigues dos Santos, de 69 anos há 65 dias ficou internado na Unidade Ir. Antônia Caceraghi, morador de Aparecida do Taboado deu entrada no Hospital Auxiliadora com uma grave infecção bacteriana de corrente sanguínea, conhecida com nome científico de: Espondilodiscite piogênica – evoluindo com stafilococcia e múltiplos abscessos, que precisava ser tratado imediatamente.

Quando deu entrada no hospital, seu Jair lembra de poucas coisas, foram dias de medicação e atendimento para que ele conseguisse se recuperar, porém o aposentado começou a tomar consciência e o tempo que ficou internado no hospital viu-se rodeado de uma equipe multiprofissional preocupada em sua recuperação e seu bem-estar. “Ali eles foram minha família, impossível elogiar apenas um profissional, toda equipe é nota mil, não imaginava que esse hospital teria todo esse suporte e atendimento”, afirmou.

Seu Jair lembra que quando foi para o quarto na Unidade Ir. Antônia Caceraghi, falou para sua esposa que não teria condições de pagar pelo atendimento, pois pensava estar em uma unidade particular, simplesmente foi informado que todo o atendimento e a internação seria pelo SUS. “Fiquei impressionado com a estrutura e que meu atendimento foi custeado pelo SUS, meu estado de saúde era grave e fui muito bem atendido, desde pela equipe de limpeza até os médicos, não tenho palavra para agradecer, seria injusto eu ir embora e não fazer um agradecimento para toda essa equipe maravilhosa”, contou emocionado.

Longe de casa, o paciente conta sobre sua vida, morador de um rancho em Aparecida do Taboado, comentou que adquiriu o imóvel a pouco tempo e que sua alegria é pescar, colher verduras e legumes da horta de seu quintal, muito emocionado fala sobre seus netos. “Minha angústia era recuperar para poder ver meus netos, longe de casa e de todos, a equipe do Hospital conseguiu algumas fotos da minha família, filhos e netos e fizeram um quadro e deixaram no quarto onde estava, isso foi emocionante pois ali percebi a humanização com a qual  os pacientes são atendidos e hoje graças a Deus estou recuperado”, disse

Para a médica pneumologista do Hospital Auxiliadora, Vanessa Alves que acompanhou o paciente foi uma internação prolongada e com muitos desafios. “Seu Jair teve algumas recaídas da doença e trazia preocupação e angústia para toda a equipe, porém, ele fazia a diferença, sempre com bom humor e autoestima imensurável, nos trazia mais segurança e amor aos nossos cuidados”. E completou: “Ele não sabia que o nosso projeto de atenção na unidade era novo, e sem saber, nos ensinou a ter força, confiança e acreditar que estamos no caminho certo”, concluiu.