“ACHADOUROS” DA INFÂNCIA

Texto por: Maria Anita Fernandes de Castro Dias | Ex-Aluna CENIC

Temos hoje o sorriso estampado no rosto e expressamos no olhar a alegria de vivermos este momento tão especial em nossas vidas. Tudo está intacto! Nos nossos sorrisos, nos nossos olhares, nas nossas lembranças. Enfim, na viagem que hoje fazemos para uma época especial e inesquecível!

Começamos essa viagem celebrando a Santa Missa para, antes de tudo, AGRADECER. Gratidão é o sentimento! Inicialmente aos nossos pais, que depositaram a confiança neste Colégio pela nossa formação. Gratidão ao Ginásio e Escola Normal Imaculada Conceição (GENIC), tão especial para todas nós, onde aprendemos valores essenciais à construção da nossa vida cristã e dos alicerces que sustentam a nossa caminhada.

Gratidão aos nossos queridos professores e às Irmãs Salesianas que tão lindamente influenciaram e balizaram nossa formação, transmitindo-nos não só conhecimento, mas também princípios e valores fundamentais da fé cristã como o da solidariedade e da partilha e a importância da afeição de uma sólida amizade. Nesta Celebração agradecemos especialmente e destacamos o valor da amizade, amigos nos humanizam, nos abrem uns para os outros e enfim, para Deus, para o encontro com Cristo.

“A importância de uma coisa não se mede com fita métrica nem com balanças nem barômetros etc; a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós”, assim nos ensina o nosso grande poeta Manoel de Barros. Por certo existe poesia neste nosso reencontro, que se origina do encantamento produzido na memória dos rostinhos felizes em uma foto tirada há 48 anos nas escadarias do Colégio e em todas nós cativado pela ideia há muito  acalentada por nossa amiga Hilda Lima.

Desde então revimos fotos, contamos casos, relembramos o que nem lembrávamos mais. Testemunhamos a passagem do tempo no rosto e no relato de experiências de cada uma, mas guardamos a sensação de que permanecemos as mesmas, independente dos rumos seguidos.

Para estarmos aqui não contabilizamos afinidades, tempo transcorrido ou divergência de mundos, muitas sequer contabilizaram a distância percorrida, mas tão somente a grandeza do encantamento em nós despertado pelas lembranças de momentos especiais vividos neste Colégio, pela reverência aos nossos formadores e orientadores de uma vida toda, e pela importância de amizades localizadas no tempo do nosso coração e memória.

Ainda há muita história para contar até “matar a saudade” de um tempo que passou, mas que deixou marcas. Parafraseando o poeta, somos hoje caçadoras de “achadouros” da infância, vindo cavar no nosso quintal vestígios das meninas que fomos. E que ainda somos!  Porque reencontrar amigas e o nosso passado significa localizar a nós mesmas, é reencontrar o nosso referencial e entender que, se algum dia fomos tocadas, essa relíquia permanece e sempre permanecerá conosco.

Obrigada Deus por nos privilegiar e permitir viver este momento!